Leituras orantes
Home Apostolado Inaciano Nossos Escritos Exercícios Espirituais Mensagens do Cursilio Leituras orantes Galeria de fotografias Comentários

 

 

ARTIGOS INACIANOS

Aparecida.doc

ARTIGOS SOBRE A CVX.doc

As Culturas frente aos Direitos Humanos.doc

Comercio total.doc

COMUNIDADE INACIANA.doc

Encontrar Deus na sexualidade.doc

Escolhe pois a vida.doc

ESPIRITUALIDADE DO COTIDIANO CRIATIVO.doc 

ESPIRITUALIDADE DO ENCANTAMENTO.doc

ESPIRITUALIDADE DO TRABALHO.doc

ESPIRITUALIDADE INACIANA.doc

homens e mulheres de Igreja.doc

La Etica de la Vida y Elogio de la Voluntad de Poder.doc

Leigos de Espiritualidade Inaciana.doc

Nosso modo de proceder.doc

Nosso Olhar no Julgamento.doc

O EU O OUTRO E OS OUTROS.doc

O poder do inconsciente na vida espiritual.doc

Onde mora a Felicidade.doc

Regras para Sentir com a Igreja.doc

SANTIDADE.doc

SER COMPANHEIRO de jesus.doc

Sexualidade e Espiritualidade.doc

Servir.doc

UMA ESPIRITUALIDADE DE DISCERNIMENTO.doc

UMA ESPIRITUALIDADE DE PARADOXOS.doc

viver nas fronteiras da Igreja e do mundo.doc

Aparecida.doc

Encontrar Deus na sexualidade.doc

homens e mulheres de Igreja.doc

homens e mulheres do mundo.doc

 

 

<<<<LEITURA ORANTE>>>>

"VER JESUS, CAMINHO, VERDADE E VIDA"
Leituras orantes de São Lucas!
 

Pe. Paiva, SJ

Colaboração do CEI-ITAICI com o projeto
Ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida da CNBB (2004 a 2008)

 

Bem aventurados os puros de coração, pois eles verão a Deus (Mt 5,8).Assim Nosso Senhor colocou a condição para você Ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida. Selecionamos dez passagens do Evangelho segundo São Lucas para ajudá-lo numa leitura orante da Palavra de nosso Senhor e Mestre. E vamos começar, conforme a bem-aventurança dos puros do coração, por passagens que limpem os olhos do coração para que eles possam ver Jesus. Ver Jesus é ganhar um conhecimento interno dele, que também por você se fez humano, para que você mais o ame e o siga dia-a-dia.

O método será o da leitura orante, segundo a maneira muito simples e eficaz ensinada por Santo Inácio de Loyola nos seus Exercícios Espirituais como o segundo modo de orar (Exercícios nn 249-256)

Não cobramos direitos autorais. Mas pedimos a você que, querendo copiar e difundir parte ou todo deste trabalho, coloque claramente de onde você copiou! Obrigado!

Maneira de rezar um texto da Bíblia - como sugere Santo Inácio de Loyola

1. Escolha um lugar e hora para sua leitura orante. Pode ser que você aproveite o horário do almoço do seu serviço e vá a uma Igreja que fique aberta. Pode ser que você reze na sua casa, diante de uma simples estampa, de uma vela acesa. O importante é que você arrume um ambiente que ajude você a estar em oração.
 

2. Lembre-se! Por detrás e pela frente ele - nosso bom Deus - nos abrange (Sl 139/138). Em boa paz, acomode-se e acolha sua Presença amorosa e sábia.
 

3. Faça a oração preparatória, como os discípulos: "Ensina-nos a rezar!" Santo Inácio sugeria pedir ao Pai: Senhor, que todas as minhas orações e ações estejam voltadas somente para Ti!
 

4. Assuma com ele de dar o tempo que você combinou para a leitura orante. Se tiver tentação de diminuir, porque hoje não está "tão gostoso" como ontem, aumente um minutinho o tempo, mas nunca diminua! Sugerimos de 15 a 30 minutos cada dia.
 

5. Crie também um ambiente interno para sua oração! Santo Inácio chamava este momento de "composição de lugar". Cada passagem do Evangelho vai pedir uma diferente: o presépio, uma casa humilde, um campo, a beira de uma estrada, uma feira livre, uma sala de uma casa rica, o Calvário. Vamos ajudar você em cada leitura. O importante é que você irá deixando que o que diz a Palavra de Deus "evangelize" também sua imaginação.

  • Então você tome o texto da Bíblia. Leia todo, mas com calma, uma primeira vez. Pare um pouco: faça o pedido de graça, que aquele Evangelho sugere. Varia conforme o que Jesus quer mostrar.
  • Leia a explicação que damos aqui de cada texto. Depois leia de novo a passagem. Desta vez, versículo por versículo. Pare a cada versículo lido. Preste atenção ao "barulhinho" que ele faz lá dentro de você. Ou repare na "pequena chama" que o Espírito de Jesus acendeu dentro de você. Aprenda com seu coração. Diga para Jesus ou para o Pai ou para Maria ou para José ou para aquela mulher pecadora ou aquele discípulo o que seu coração falar!
  • Terminando o tempo, agradeça o tempo, diga amais alguma coisa que você queira, responda a alguma inspiração ou apelo que você percebeu e se despeça rezando, com carinho, o Pai Nosso ou Alma de Cristo ou Ave Maria, conforme o caso e você preferir.
  • É muito bom anotar, depois,a alguma coisa mais importante que foi dada a você: uma iluminação, uma inspiração, um apelo.

Parece muita coisa de uma vez só? Não se impressione! Queremos ajudar a ir seguindo com sossego este bom caminho. Você vai ver como irá longe!


1ª LEITURA: Lc 10, 38-42


No seu lugar e na sua hora de oração, abra com carinho a Bíblia e leia o texto! Faça sua oração preparatória: Senhor eu esteja somente com meu coração voltado para escutar teu ensinamento!

Composição de lugar: com os olhos da imaginação, veja Jesus na sala da casa de seus amigos, Lázaro, Maria e Marta (Jo 11,1). Imagine um rancho grande do interior. Pense como "gente da roça" sabe receber os amigos! Marta toma a frente, para que tudo saia bem. Lázaro deve ter ido matar uns frangos ou um cabrito para assar. Jesus está com seus acompanhantes, discípulos e discípulas. Você é discípulo, discípula? Vá chegando! Fique à vontade!. Jesus fala e Maria de Betânia escuta e aprende! Hoje você também é como Maria de Betânia: quer ver Jesus,Caminho, Verdade e Vida e aprender com ele como é ser cristão.

Aproveite para fazer seu pedido de graça: Jesus, você disse que somente os puros de coração têm a felicidade de ver a Deus. Limpa meu coração de todo egoísmo, falta de solidariedade, raiva, ressentimento para que eu possa ver você, Bom Jesus!

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

  • Jesus já tinha mais de 30 anos (Lc 3,23). Ele estava a caminho para Jerusalém, cumprindo sua missão de Salvador. Ia ensinando a Boa Nova, o Evangelho. Ainda havia pouco tempo, tinha mandado 72 discípulos a anunciar que o Reino de Deus está junto de vocês (Lc 10,9). Ele e os seus enviados encontravam gente que acolhia a Palavra e o Anúncio e mudavam de vida, e os que não acolhiam: eram como cordeiros no meio de lobos (Lc 10,3). Jesus estava preocupado, com o coração cheio de ternura pela multidão, porque a colheita era grande e poucos os operários (Lc 10,2). Você vai caminhando com ele, aprendendo com o que vê ouve conforme o Evangelho e entra com ele na casa amiga de Betânia. Repare: o caminho da fé é um caminho de encontros! Alguns muito amigos. Outros nem tanto. Mas, Jesus, passou fazendo o bem a todos que encontrou. E você? Lembre os encontros de sua vida! Reze pelos amigos e os não tão amigos! Lembre seus encontros com Jesus e o Pai! Agradeça no Espírito!
  • Tanta gente na casa e no quintal! Marta estava cheia de coisas para preparar! Ela quer receber bem! Quer que todos saiam satisfeitos, falando bem do dono da casa, Lázaro! E nem repara que quer ficar no centro de tudo! Pensa que está honrando Jesus, mas, no fundo, está honrando a si própria e à sua família! Por isso nem repara no gosto que Jesus tem de ver a atenção com que Maria o escuta. Marta se parece com muita gente, que se ocupa tanto com isto e aquilo que não tem tempo para dar atenção a Jesus e o que ele ensina: Marta, Marta, você se ocupa com tanta coisa, mas só uma é necessária. Maria escolheu a melhor parte e ele não lhe será tirada (Lc 10,41-42).
     
  • Uma última observação: o evangelista diz que Maria sentou-se aos pés de Jesus e escutava sua palavra (Lc 10,30). Jesus era o Mestre, o Rabi! Entre os judeus os Rabis não admitiam alunas, discípulas! Como as cadeiras eram poucas, os alunos dos Rabis sentavam-se no chão. Só o Rabi sentava-se numa cadeira para ser visto por todos. Então, ser aceito na aula do Rabi era "sentar-se aos pés" dele! Quer dizer que Jesus aceitou mulheres como discípulas! Uma novidade! Uma libertação!
     

Agora leia o relato, sem pressa, deixando cada versículo cair lá no fundo de você e rezando, cada vez, o que seu coração sugerir! Se não der para acabar hoje, acabe amanhã ou depois! Terminando o tempo, fale o que quiser, pedindo ou agradecendo, em resposta ao que o Evangelho despertou em você. E diga o Pai Nosso! Santo Inácio chama este final de colóquio.

Quando puder, ainda hoje,a note alguma coisa que mais tocou você! Assim você vai recolhendo o que ficou para que não se perca! Qualquer dia destes vamos pegar estas boas coisas e fazer uma boa comidinha com elas! Chama-se oração de repetição.


2ª LEITURA: Lc 11, 1-13


Prepare-se como na 1ª Leitura. Só que a composição de lugar é diferente: você está com os discípulos e discípulas esperando Jesus. Ele passou a noite em oração lá no alto do morro, sozinho com o Pai. Lá vem ele! Descansado e feliz! Todos pedem (e você também!):
 
  • Ensina-nos a rezar!
     
  • Limpa nossos corações de toda inveja,
  • da falta de perdão,
  • da falta de misericórdia
  • da falta de interesse pelo bem dos outros,
  • e da falta de atenção aos problemas do bairro, da cidade, do país e do mundo!
  • Dá-nos corações de discípulo!
Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!
  • Jesus ficou a noite lá no morro, voltado de coração para o Pai! Seu rosto brilhava de paz e alegria quando desceu e se encontrou, de manhãzinha, com seus queridos discípulos e discípulas. Lembrava Moisés, que desceu do Sinai com o rosto irradiando, depois de ter recebido aos Dez Mandamentos (Ex 34,29)! Na verdade era o Novo Moisés, que trazia para nós o Novo Mandamento: Como eu amei vocês, amem-se uns aos outros! (Jo 13,34).
  • Jesus tinha o coração aberto para o Pai! O Pai lhe dá todo o seu Espírito! Jesus agia entre nós anunciando o Reino muito inspirado! Nunca agia desesperado ou exasperado, raivoso! Agia assim inspirado porque rezava com todo o coração de Filho muito amado do Pai. Assim ele nos ensina a rezar.
  • Jesus rezava: portanto era ser humano como você e eu e todos nós. Ele reza com confiança e entrega. Como disse São Paulo: Sei em quem confio (2 Tm 1,12). Não "reza por rezar", "de boca pra fora".
  • Mas Jesus tinha uma intimidade divina com o Pai. Ele nasceu da sempre Virgem Maria e padeceu sob Pôncio Pilatos. Mas é também o Filho do Altíssimo, concebido pelo poder do Espírito Santo (Lc 1,32-35), Pessoa divina igual ao Pai na Santíssima Trindade.
  • E é ele, Jesus, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, que está hoje dizendo a você e a todos nós: "Quando vocês rezarem, digam assim: Pai!"

REPARE, o Pai Nosso de Lucas é mais curto do que o comum, o de Mateus, que nós usamos. Hoje, fazemos a leitura orante da narrativa de Lucas:

  • Pai: estamos falando com ele, com nosso Pai! Haja coração! E que Pai! Ele tem entranhas de misericórdia, de ternura e compreensão por nós, por você (Lc 1,78).
  • Santificado seja o seu Nome: que o Nome dele seja bem falado por causa de nosso testemunho de vida honesta, inspirada na oração e cheia de solidariedade e compaixão. Somos chamados "cristãos". "Cristão" vem de "Cristo"! Precisamos honrar o nome de família que o Pai nos deu no dia do Santo Batismo!
  • Venha o seu Reino, faz vir o seu Reino: seu Reino é serviço! Jesus veio servir, e não ser servido (Mt 20,28). Jesus nos ensina a pedir o Reino para nos libertar de todo desejo de possuir, mandar, aproveitar, morrendo de coração trancado pelo egoísmo, sem amor livre, gostoso verdadeiro: O amor é paciente, é bondoso; não é invejoso; não é prepotente nem orgulhoso. Nada faz de inconveniente. Não procura o próprio interesse. Não se irrita. Não se julga ofendido. Não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. O amor tudo perdoa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (1 Cor 13,4-7).
  • Dê-nos o pão de cada dia: o pão de hoje, o pão de amanhã, o pão de cada dia. Dê-nos o que for preciso para caminhar nesta vida como Jesus caminhou! Como filho do Pai! Dê-nos o que for preciso para passar fazendo o bem como Jesus passou (At 10,38)!
  • Perdoe-nos como nós perdoamos: faz nos gente de perdão! Filhos e filhas do Pai, que Jesus descreveu tão bem: braços abertos para o filho "fujão" e atento ao filho mais velho, cheio de ciúme e ressentimento, do lado de fora da festa (Lc 15,20-28)
  • E não nos deixes cair em tentação: o Maligno conhece nossos pontos fracos e nos dá cada "idéia". Maus pensamentos aparecem mesmo na cabeça de cada um. O importante é não cair na armadilha e ficar firme nos mandamentos: Quem me ama cumpre meus mandamentos (Jo 14,15). Também está escrito: Filho, guarde os mandamentos do seu Pai (Pr 6,20).

Aproveite bem! Com vagar! Versículo pro versículo! Atento ao coração, rezando, pedindo, agradecendo! Termine com o colóquio e Pai Nosso inteiro. Aproveite para ir perguntando ao Pai do céu o que ele quer de você nesta vida. O que não der para hoje, fica para amanhã! E anote o que você aprendeu hoje!

Experimente, a partir de agora, ler as explicações de véspera, deixando para o seu tempo de oração apenas o texto. Comece repetindo esta oração com o Pai Nosso!

Se você sentir que é melhor dar mais tempo ao Pai, tome como leitura orante, seguindo os passos indicados no método, os seguintes textos: Is 65,16-25 (o sonho e o desejo do Pai para a vida humana nesta terra); Sl 144/145 (a realeza e onipotência de Deus é na linha do amor misericordioso e não da arbitrariedade) e 103/104 (O Criador fez um jardim para que o ser humano o cultive).


3ª LEITURA: Lc 15


Prepare-se como de costume para esta leitura orante das três parábolas da misericórdia. Elas vão levar você "direto" para o Coração de Jesus, o Filho e para as entranhas de misericórdia do Pai (Lc 1,78)! Depois de se pacificar um pouco e se acomodar para a oração, faça sua oração preparatória.

A composição de lugar será aqui um lugar bonito e agradável, à beira do mar ou de um lago, muita gente e você também, mas todos sossegados pela presença de Jesus, que fala do Pai. O pedido de graça: que estas palavras de salvação de Nosso Senhor purifiquem os corações de todos os que a ouvem, também o seu, levando a detestar o mal e amar o bem.

Se você preferir, pode demorar mais tempo neste capítulo, tomando cada dia uma parábola e até demorando mais de um dia nas passagens que mais tocarem você.

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. A ovelha se perdeu porque se separou das outras e foi para longe do bom pastor. Ela estava à procura de outras pastagens. Tinha, por assim dizer, outras fomes, fomes que não são de Deus. E você? Suas "fomes", seus desejos têm sido de Deus? A ovelha desconfiava que o que o bom pastor lhe oferecia não era ta bom assim. Desconfiava da sua bondade e capacidade. Adão e Eva assim desconfiaram do Pai. Em todo o pecado existe esta desconfiança: "meu" desejo vale mais do que a palavra sábia do nosso Pai do céu, o seu mandamento. "Meu" caminho convém mais do que o Evangelho de Jesus, o Caminho. "Eu me sair bem" vale mais do que ser solidário. E esta é um ilusão maliciosa que não leva a nada, senão ao erro e ao desastre.
2. Jesus com para o Pai do céu também a uma dona de casa pobre que perdeu uma moeda. Era uma "dracma", isto é uma moeda pagã, com imagem gravada. Por isso mesmo, ela não seria aceita como esmola no Templo de Jerusalém! Tinha pouco valor: nunca seria procurada por Herodes ou Pilatos ou por qualquer rico! Mas era importante para esta mulher pobre: valia um dia de trabalho do seu marido! Ela varre até encontrar a moeda no meio do pó e do cisco. Você é também esta moeda desprezada pelos "grandes" deste mundo e cheia de valor aos olhos do Pai! Onde ele encontra você? E não será que você também tem uma "moedinha perdida" que precisa encontrar?

3. Como Jesus pode parecer um adversário perigoso que é preciso eliminar da vida social? Como o Pai do céu pode parecer um aborrecido fazedor de normas, do qual é preciso tomar distância para encontrar a liberdade e a felicidade? Como tanta gente toma o caminho do filho mais jovem, sai de casa e joga fora a herança? Como outros são ressentidos e acusadores contra o Pai e ficam "fora da festa"? Nesta parábola você encontra três filhos do mesmo Pai do céu: o mais jovem, o "pródigo", o mais velho, o ressentido, e Jesus, o Filho bom e verdadeiro. Com o qual você mais se parece? Com qual você sente, agora, desejo de parecer?

Nas três parábolas o final é de festa e alegria partilhada! A verdadeira alegria é uma experiência de partilha e comunhão, se solidariedade e de convívio! Na há verdadeiro cristianismo vivido "eu e Deus", com exclusão dos outros, porque você não os procurou nem convidou para a festa do encontro!

Termine a oração com o colóquio de coração aberto, respondendo ao que o Espírito lhe mostrou na oração e acolhendo o que ele lhe inspirou. Peça ao Pai que lhe mostre o que você tem feito por Cristo, e o que você deve fazer por Cristo. Ajuda fazer esta pergunta olhando para Jesus crucificado. Depois, logo que tiver um tempinho, tome alguma nota para aproveitar bem o que lhe foi manifestado!


4ª LEITURA: Lc 7, 35-50


Esta leitura vai levar você, com a graça do Espírito Santo, ao encontro de um rico fariseu, de uma mulher que vivia da prostituição e de Jesus, e do seu Coração cheio de misericórdia. Você vai poder sondar seu coração, para verificar se temos mesmos sentimentos da mulher, que tanto amou! A oração preparatória é muito importante, pois só o Espírito, que sonda o mais íntimo do nosso íntimo (1 Cor 2,10-11), lhe poderá fazer ver sua verdade na verdade de Jesus.

A composição de lugar será uma sala oriental, com almofadas em lugar de cadeiras, em volta da mesa baixinha, onde há tanta coisa boa de ver de comer! Os convidados estão reclinados nos almofadões. Assim foi possível à mulher se aproximar dos pés de Jesus e lavá-los. O pedido de graça será aqui ter um coração novo, capaz de se arrepender sinceramente e de se aproximar com amor humilde e verdadeiro de Jesus Cristo, o Salvador.

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Olhe bem o fariseu, e logo, olhe para o seu próprio coração. Reflita sobre você mesmo, você mesma, para tirar algum proveito! O fariseu convidou Jesus porque teme Jesus e quer investigá-lo. Não o recebe com afeto e cordialidade. É formal e frio. Jesus, para ele, é o outro, o diferente. Deve ser vigiado para ser controlado. Fica de fora de sua preocupação a bondade e o conforto do convidado: água para lavar os pés calçados com sandálias e empoeirados dos caminhos sem calçamento. Jesus, contudo, se revela a ele também, como aquele que conhece o íntimo dos corações e sabe ser justo e acolhedor.
2. Olhar a mulher que entra com um vaso muito caro em suas mãos, contendo uma preciosidade: um perfume muito especial, o extrato de nardo, vindo do Himalaia, lá na Índia, em arriscada e longa viagem! Ela não vive de uma prostituição qualquer, ele vende seu corpo a gente "de bem", da classe social do fariseu. Ela, como você, quer ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida. E enfrenta os olhares e os comentários para encontrá-lo. Olhar para ela e olhar para você.
3 Olhar Jesus, observar seus gestos e atitude e dar muita atenção ao que ele fala. Observar o que você sente no seu coração e percebe com sua inteligência. Rezar conforme o seu coração lhe ensinar.

4 Reparar que o perfume do precioso vaso partido encheu toda a sala e fez bem a todos os que ali estavam. Assim vai acontecer quando você entregar a Jesus seus apegos, tudo o que prende a uma vida antiga e errada para começar vida nova, a partir do seu encontro com o perdão e a misericórdia dele: o ambiente será perfumado e todos se alegrarão! Seu perfume é para todos!

Termine seu colóquio, olhando para Jesus crucificado por amor, com um Pai Nosso rezado de coração. Continue pedindo ao Pai que lhe revele o que você fez por Cristo, o que você faz por Cristo e o que você deve fazer por Cristo.

Note o que aconteceu de mais significativo na sua oração e anote com cuidado e brevidade! Anotações muito longas não ajudam a perceber o que foi realmente significativo e importante.


5ª LEITURA: Lc 1, 26-36


Nosso Pai do céu gosta de gente! Ele aprecia muito quem dá com generosidade, quem dá com alegria (2 Cor 9,7)! Jesus, em tudo igual de coração ao Pai, no mesmo Espírito, deu grande valor ao gesto da mulher que quebrou o vaso de nardo, ungiu seus pés e perfumou a sala toda com o seu dom. Ele nos chama a dar com confiança. Ele nos chama a nos entregarmos a ele, atendermos seu apelo, seu convite, seu chamamento. Ele tem uma missão para nós. Ele quer fazer de todos nós luz do mundo (Mt 5,14). Jesus é a Luz do mundo (Jo 8,12). A luz que resplandece nas trevas para iluminar todo ser humano que vem a este mundo (Jo 1,4-50). São Lucas testemunha que Jesus, uma vez, nos disse: Observa a luz que há em ti! Que não seja escuridão!

Assim você já sabe, em geral o que Deus quer de você: Ó homem, já lhe foi revelado o que é bom e o que Javé exige de você: somente que você pratique a justiça, ame com fidelidade e caminhe humildemente na presença de seu Deus (Mq 6,8).

Mas em particular, a esta altura de sua vida, o que Deus quer que você faça por Cristo?

Maria, a Virgem de coração livre, de coração imaculado pôde compreender e aceitar o chamamento para amar com fidelidade e caminhar com humildade diante do Pai, cooperando na sua obra de justiça. Maria de Nazaré aceitou o anúncio do Anjo.

A composição de lugar vai ser aquela casa tão humilde de Nazaré, onde a Virgem de coração imaculado vive com seus bons pais, Joaquim e Ana. Peça que ela lhe alcance toda a graça que você precisa para escutar e acolher a vontade de Deus em sua vida: que você não tenha ouvidos surdos para o chamamento dele! Deus quer que todos sejamos salvos (1 Cor 10,33), e, por isso chamou Maria para ser Mãe do Salvador. E chama, agora também, você para acolher, amar e seguir Jesus!!

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Deixe que a narrativa evangélica leve sua imaginação, sensibilidade e inteligência a ficar junto de Maria nesta hora de anunciação! Olhe seu jeito ativo e inteligente de cuidar das coisas do dia-a-dia de gente humilde: fazer o pão, varrer, lavar, ir buscar água. É uma menina moça. É uma mulher forte na oração. Faça-lhe companhia. Procure perceber seu Coração Imaculado, livre para amar e servir. Repare no seu próprio coração e reflita sobre você mesmo, você mesma, para tirar algum proveito.
2. Procure perceber como ela e você e todos nós estamos sob o olhar do s olhos bons do Pai do céu. O Deus da vida vê do mais alto do céu e enxerga tanta perdição que existe em toda a redondeza da terra. Nós temos abusado da liberdade e deturpado com falsos raciocínios a simples verdade: Faz o bem e evite o mal (Sl 36/37,27). Os olhos bons e cuidadosos do Pai eterno pousam sobre Maria. Ele quer que ela se veja livre para acolher sua Palavra de amor por todos nós, seu Filho eterno! Delicadamente, envia seu mensageiro, o Anjo Gabriel. Olhe o que o Deus da Vida faz: a redenção da nossa humanidade. Olhe para você e reflita sobre você mesmo para tirar algum proveito.
3. Olhe bem Maria respondendo. Melhor ainda: deixe suas palavras de confiante entrega à vocação divina ressoarem e produzirem fruto em você. Procure intuir como ela pode dizer: seu Faça-se em mim segundo sua vontade! Ela tem um coração livre para amar e servir, confiante em Deus para o que der e vier: A Deus nada é impossível. Reflita sobre você mesmo, você mesma, para tirar algum proveito.

No colóquio, fica bem você adorar o Filho do Altíssimo e Filho de Maria (Lc 1,31-32), Jesus, a Palavra de Deus que acabou de se fazer carne de nossa carne, sangue do nosso sangue no ventre da Mãe corajosa. Diga ao Pai, a Jesus e a Maria o que o Espírito ensinar no seu coração. Falando com o Pai termine com o Pai Nosso. Com Jesus, a Alma de Cristo. Com a Virgem, a Ave Maria.

Tome nota,depois, do que você ganhou nesta oração, para não perder por descuido!

Se você quiser, pode fazer a leitura orante nos dias seguintes das seguintes passagens: Lc 1,39-45 (A Virgem da Caridade, com Jesus no seu ventre, vai acudir sua parenta, Isabel, prestando-lhe humildes serviços caseiros); Lc 1,46-56 (O Coração Imaculado de Maria se abre em louvor a Deus, que olha para o pequenino e o eleva); Lc 1,67-79 (O sacerdote Zacarias canta a maravilha da obra de Deus, que tem entranhas de misericórdia, por nossa salvação.


6ª LEITURA: Lc 2, 1-6


Muitas vezes nós imaginamos que Jesus veio para resolver nossos problemas, fazer nossas vontades e "tomar providências", para que o mundo fique mais a nosso gosto. Contemplar como ele quis nascer ajuda muito a perceber que seu Reino é serviço. É liberdade interior para servir e amar. Como ele definiu: Eu vim para servir, e não para ser servido (Mt 20,28). Ele também nos ensinou: Os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos (Lc 13,30). E o que ensinou praticou: Estou no meio de vocês como aquele que serve (Lc 22,27).

Por isso, tendo observado as atitudes de Nossa Senhora, contemple agora como Jesus quis nascer. Assim disse Santo Inácio: Olhar e considerar o que fazem Maria e José, como caminhar e trabalhar para que o Senhor nasça na maior pobreza e, depois de tanto trabalho, passando fome, sede, calor e frio , injúrias e ofensas, morra na cruz. E tudo isto por mim! Em seguida refletir sobre mim mesmo para tirar algum proveito espiritual.

Por tudo isso, prepare-se com muito carinho e atenção, sem esquecer sua oração preparatória. A composição de lugar vai ser acompanhar como quem serve a estas duas humildes pessoas, Maria e José, no caminho de Nazaré a Belém. Ajude, por exemplo, carregando uma trouxinha ou ajudando a puxar o burrinho. É importante que você também esteja neste momento de graça "como aquele que serve". Não fique de fora! E o que vai pedir? Santo Inácio sugere suplicar um tal conhecimento interno de Nosso Senhor que você possa mais amá-lo e segui-lo.

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Repare bem o caminho de Nazaré a Belém: é estreito ou largo? A viagem é confortável ou não? Como são as paradas naquela semana de caminhada desde a Galiléia até a Judéia, cruzando a Samaria em terrenos montanhosos? Olhe Maria e José: como falam, como calam, como rezam, como se ajudam. Olhe para você e procure tirar algum proveito espiritual.
2. Chegando a Belém, observe o tumulto daquele pátio com um poço no meio, a hospedaria daquele tempo e daquele lugar. Os animais estão ali também. Muita confusão! Há alguns quartos no sobrado, mas são caros! Não havia lugar para eles. Veja como Maria e José procedem. Reflita sobre você mesmo, mesma, para tirar algum proveito.
3. Na gruta, há tranqüilidade. No meio do silêncio da noite, nasceu Jesus, nosso Rei e Senhor, e o Criador do Universo, feito pequenino, é cuidado pela Mãe, que o envolve em humildes paninhos e o coloca para dormir na manjedoura, forrada de palha pelas mãos calosas de São José. E ele dorme sossegado! Toque nas palhas com muita reverência: elas bastam ao Senhor do céu e da terra. Elas servem a seu Senhor! E você? O que lhe diz seu coração para o bem de sua vida?

No colóquio, adorando Jesus recém nascido, pense no que você lhe pedirá para mais imitá-lo e segui-lo. Faça seu pedido também por intercessão de Maria Santíssima e de São José. Fale diretamente ao Pai sobre seu desejo de estar e crescer sempre com Jesus. Se não sente em si tão bons desejos, peça, pelo menos, o desejo de desejar ser posto com Jesus nesta vida e na outra!

Veja como foi na oração. Se bem, agradeça e prometa perseverar, sempre se deixando guiar pelo Evangelho. Se não, veja em que falhou e prometa emendar-se da próxima vez. Tome nota do que lhe aparecer mais importante.

Se quiser rezar mais sobre o nascimento e a infância de Jesus, pode tomar estas passagens: Lc 2,8-20 (Os primeiros a visitar e reconhecer o Menino Deus foram os humildes pastores); Lc 2,21-32 (O Menino recebe o nome de Jesus, que quer dizer "Javé Salvador" e expressa quem ele é qual é sua missão); Lc 2,33-38 (O profeta Simeão e a profetiza Ana reconhecem o Salvador naquele pequenino no colo de Maria); Lc 2,39-52 (Jesus em Nazaré, na casa de Maria e de José, e na Casa do Pai, o Templo de Jerusalém.


7ª LEITURA: Lc 4, 14-30


Lucas relata que Jesus, depois dos doze anos de idade esteve em Nazaré, obediente Maria e José (Lc 2,51). No rio Jordão, ele foi batizado no batismo de penitência de João (Lc 3,21-22). E tinha cerca de 30 anos quando começou seu ministério. Ele era, segundo pensavam, o filho de José, filho de Heli (Lc 3,23). A seguir de um retiro no deserto, conduzido pelo Espírito Santo, Jesus voltou para a Galiléia, pelo poder do Espírito, e a sua fama correu por toda a região (Lc 4,14). Então foi também a Nazaré, onde tinha crescido (Lc 4,16).

Sobre este período de crescimento de Jesus no povoado de Nazaré da Galiléia, Santo Inácio diz: Já consideramos o exemplo que Cristo Nosso Senhor nos deu do primeiro estado de vida, o da observância dos mandamentos, vivendo em obediência a seus pais... (Exercícios 135).

Agora é tempo de irmos à sinagoga de Nazaré com Jesus e ouvir o que ele diz sobre sua missão, o que o Pai queria que ele fizesse.

Prepare-se como de costume, com cuidado e afeto. A composição de lugar será a sala de reunião e oração, as mulheres separadas. Procure, com os olhos, Nossa Senhora. No lado dos homens, observe Jesus. Na hora da leitura da Bíblia, ele se levanta e pega o Livro do Profeta Isaías. O que pedir aqui:

Um conhecimento interno de seu Senhor, Jesus, que se fez homem para sua salvação, e tal modo que você se determine a em tudo amá-lo e segui-lo, reconhecendo a vontade do Pai a seu respeito e se determinando a pô-la em prática.

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Jesus lê a vontade do Pai expressa pelo Profeta Isaías. Procure escutá-la, palavra por palavra, deixando ressoar no seu coração e respondendo com acolhimento e todo respeito possíveis. Se lhe ocorrer fazer oração com súplicas ou com ações de graça, não hesite em fazê-las, sem pressa de ir adiante.

2. Jesus se revela como aquele que foi ungido pelo Espírito Santo (Lc 3,22) e como quem tem a missão dada pelo Pai de cumprir o programa de libertação dos pobres dos oprimidos, curando nossas cegueiras. Assim será proclamado o jubileu - o ano de graça - do Senhor (Lc 4,19). Qual sua reação diante dessa "opção preferencial pelos pobres e oprimidos" feita pelo Pai e pelo Filho no Espírito? Reze o que lhe vier a seu coração, ora confidenciando suas dúvidas e suas esperanças, ora expressando seus desejos pela petição e súplica, ora pedindo entendimento para compreender e coragem para empreender, ora dando graças, ora acolhendo e adorando.

3. Jesus percebeu que havia grande resistência á sua proclamação. Ele, conhecido de todos, chegava á seu povoado, onde crescera (Não é este o filho de José?), e se proclamava publicamente, na sinagoga, em dia de sábado, o Ungido (isto é, o Messias, o Cristo)! E Jesus não hesitou em colocar o dedo na ferida, dizendo uma palavra que tirava apoio aos pés dos que se julgavam donos na verdade: tantas viúvas em Israel, e Elias fora enviado a uma estrangeira! Tantos leprosos em Israel, e somente um estrangeiro fora curado por Eliseu!

4. A reação dos ouvintes na sinagoga foi impressionante e violenta: quiseram atirar Jesus por um barranco abaixo. Imagine o susto e a angústia de Maria Santíssima!

Terminar com um colóquio, pensando em como todos os que quiserem servir na missão de Jesus, implantando o Reino nesta terra, vai padecer resistências e mesmo atentados. Pense como, quem tiver juízo e razão, deve se oferecer para realizar, na medida que Deus lhe der, este projeto de cura e libertação de toda a humanidade, tão perdida e oprimida por nossos crimes e pecados. Peça a graça para se oferecer para o serviço de Nosso Senhor, a salvação e libertação da humanidade com fidelidade e determinação. Peça que ele lhe mostre qual o passo que você, agora, pode e dever dar para cumprir sua vontade. Fale dessas coisas com Nossa Senhora, com Jesus e com o Pai!

Se desejar conhecer melhor Jesus e o seu Reino, faça leituras orantes de: Lc 4,1-13 (Jesus vence as tentações principais do ser humano: medo da pobreza, da fome e de toda carência; vontade prestígio e fama; vontade de poder); Lc 6,20-26 (as bem-aventuranças e as lamentações de Jesus, o caminho da verdadeira vida e da falsa vida) e 27-35 (o verdadeiro amor abrange os inimigos e os ingratos) e 36-45 (o cristão vive misericórdia e compreensão, produzindo bons frutos) e 46-49 (o amor se mostra em obras de justiça e solidariedade).

Se desejar crescer mais no conhecimento de sua misericórdia e no poder do seu amor, recomendo: Lc 7,1-10 (Jesus atende aa intercessão de um pagão) e 11-17 (sem que ninguém lhe peça nada e sem pedir fé, Jesus age como Senhor da Vida); Lc 8,22-25 (Jesus se manifesta como o Senhor das criaturas, como o vento e as ondas).


8ª LEITURA: Lc 22, 14-30



A fama de Jesus crescia, e ele foi recebido vibrantemente em Jerusalém, entre alas de povo que agitavam ramos e o aclamavam (Lc 19,37-39). Mas Jesus marcava a diferença entre o Reino do Pai e o dos conquistadores, escolhendo montar num burrinho. Não se deixava enganar pela popularidade. Conhecia nosso coração duro de se abrir ao amor, sempre confundindo egoísmo com amor. Chegando à vista de Jerusalém, chorou (Lc 19,41-44). No Templo, em Nome do Pai, fechou o comércio que se tinha ali instalado e que violava não somente a Lei, mas também explorava duramente a religião do povo, conforme demonstram os historiadores (Lc 19,45-46). Aproximava-se a festa da Páscoa dos judeus, quando, durante uma semana inteira, em preparação, os judeus só comem pão sem fermento, isto é "ázimos" (Lc 22,1). Seus inimigos o queriam morto. Judas o traía. Foi então que ele mandou preparar sua última ceia,que queria nos dar para que o tivéssemos sempre presente, celebrando sua memória (Lc 22,2-13)

A composição de lugar será a sala grande arrumada, no andar de cima (Lc 22,14). Entre com atenção! Acolha os convidados. Você na está só! A ceia é para você e os outros, para nós. É hora de comunhão e participação. Pedido de graça: o dom do Espírito:
 

  • para poder dar graças com Jesus e seu povo, sua Igreja;
  • para poder oferecer-se como Jesus se oferece a todos por amor do Pai;
  • pedir para poder comungar solidariamente com seus irmãos mais pequeninos, os prediletos de Jesus,a mando também os inimigos e perseguidores;
  • pedir para ver Jesus na Eucaristia, pois ele é caminho, verdade e vida para nós.
Não tenha receio de gastar tempo neste pedido de graça e outros, que sentir desejo ou necessidade de colocar!

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Observar com todo carinho e atenção Jesus, com os olhos do evangelista. Perceber como Jesus dava importância àquela hora: Desejei ardentemente comer esta ceia com vocês antes de sofrer, porque eu não vou comer mais dela até que se realize plenamente o Reino de Deus. É sua "última ceia" e ele a quer partilhar conosco e a quer dar para nós, para que a celebremos em sua memória.


 

2. Ouvir suas palavras, olhar seus gestos, fixar sua fisionomia: está triste ou alegre? Está risonho ou sério? Está tenso ou sereno?

3.
Procurar sentir o sabor deste Corpo dado como pão da vida, deste Sangue derramado como vinho da salvação e da bênção.

4. Olhar os convidados, os apóstolos. Parece que não estão compreendendo muito: Surgiu entre eles uma discussão, sobre quem seria o maior. Jesus, com paciência, retoma seu ensinamento de sempre: Estou aqui como quem serve. Ele que é o maior. Refletir sobre você mesmo, você mesma para tirar algum proveito espiritual.

5.
Apesar de tudo, por mérito da paciência e bondade de Jesus, temos tomado parte em suas provações. Em recompensa ele nos dá o Reino. Como é possível tanta confiança e amor em nós?

Terminar com o colóquio diante do Santíssimo Sacramento ou imaginando-se naquela Igreja que você tem particular devoção, adorando e dando graças conforme puder. Reze a Alma de Cristo.

Se achar proveitoso, leia o restante do capítulo 22 em umas duas ou três leituras orantes, conforme a maneira proposta.


9ª LEITURA: Lc 23, 33-53


Para entrar no mistério de Jesus, nosso Deus crucificado por nós, invoquemos com todo o coração o dom do Espírito. Muitos viram a crucifixão pessoalmente e destes um bom número com indiferença. Muitos olham os crucifixos sem a menor emoção. Muitos católicos nem sequer gostam de ter crucifixos nas suas casas. Somente o Espírito de Jesus pode nos valer para sermos capazes de estar com ele nesta hora, compreender o que ele fez, acolher seu dom, amá-lo e querer permanecer no Amor Crucificado.

Composição de lugar: os soldados, a multidão, alguns poucos discípulos, com a Mãe dolorosa e você também chegaram a um lugar chamado Calvário (Lc 23,33). Ali foi pregado na cruz e elevado entre as cruzes de dois malfeitores. Não tem privilégios. Mas está no centro e atrai todos os olhares: Quando eu for levantado da terra atrairei todos a mim (Jo 12,32). Olhe para ele, ali levantado entre o céu e aterra. No lugar da tortura, onde tanta malícia e ódio, crime e pecado se concentram, ele faz triunfar o amor. Não o vencem. Ele vence. Faça seu pedido de graça para nunca abandoná-lo, nunca fugir, permanecer no seu amor na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, para o que der e vier. Santo Inácio sugere que peçamos dor com Cristo doloroso; abatimento com Cristo abatido; lágrimas, com grande pena interior por tanta pena que Cristo passou por mim (Exercícios 203).

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Olhos fixos em Jesus, o Chefe de nossa fé (Hb 12,2), esforçar-se por ver sua dor também física: as câimbras, as ânsias, o horror das moscas nas feridas, o tormento dos cravos nos pulsos e nos pés e da coroa de espinhos cobrindo a cabeça.

2. Ouvir sua prece: ele é o verdadeiro homem, o Filho do Homem, e fala por todos nós., também pelos indiferentes, pelos traidores, pelos inimigos de sua cruz (Fl 3,18).

3. Os soldados admiraram o belo artesanato do seu manto, tecido numa só peça, sem costuras. Podemos imaginar que era obra das mãos e do coração de sua Mãe querida. Tudo foi tirado dele. Está totalmente despojado antes de dar, finalmente, sua vida.
4. O povo olhava. Líderes zombavam e desafiavam. Custamos muito para entender que poder é este que Jesus revela na cruzo: o poder de dar tudo,a te a si mesmo, de amar até o extremo, de servir em qualquer circunstância, em particular as incapazes de agradecer (Lc 14,13). Só o amor que resiste ao ódio é capaz de fazer o bem e salvar. Mas nós queremos que ele desça da cruz. Nós não queremos ser crucificados. Não aceitamos a sabedoria da cruz. Mas também somos nós que, com Paulo e todos os santos e santas nesta terra anunciamos
Cristo crucificado, que é um escândalo para os judeus e loucura para os pagãos. Cristo, porém, é o poder de Deus e a sabedoria de Deus para os escolhidos, quer judeus quer não judeus. Pois a loucura de Deus é mais sábia que os homens e a fraqueza de Deus mais forte que os homens. Por isso, meus irmãos, considerai a vossa vocação! (1 Cor 1,23-26).
5. O véu do santuário está rasgado. Nada mais nos impede de entrar no santo dos santos do amor de Deus, do testemunho sagrado de sua Aliança nova e eterna. Jesus fez tudo o que devia para nos salvar. Cumpriu a vontade amorosa do Pai: com o bem vencer o mal, com amor derrotar o egoísmo, o medo e o ódio.

No colóquio, considere sua vocação e abra-se inteiramente,quando puder, para ser contagiado, contagiada pela loucura da cruz (1 Cor 1,18), deixando que ele lhe dê poder de tomar sua cruz, cada dia, e segui-lo (Lc 9,23). Terminar com o Pai Nosso e um beijo no seu crucifixo!

Sempre é bom tomar alguma nota a respeito do que mais aproveitou, com a graça de Deus.

Sentindo devoção, retome a paixão segundo o relato de São Lucas desde a agonia do horto (Lc 22,39-46). Depois desta leitura orante, tome os outros textos na ordem: Lc 22,47-52 (O beijo de Judas e a prisão); 54-62 (A negação de Simão Pedro); 63-71 (Jesus sofre injustiça e maus tratos); Lc 23,1-25 (Jesus é condenado e torturado) e 26-32 (Jesus carrega sua cruz pela via dolorosa).

Pode, depois, tomar um tempo de oração para percorrer interiormente, sem muito auxílio do texto, todo o conjunto da paixão,a te a morte de cruz, voltando aos pontos onde sentiu maior consolação e aos pontos onde sentiu mais desolação.

Seria bom, em seguida, fazer a leitura orante do mistério do sepultamento de Jesus (Lc 23,50-56).


10ª LEITURA: Lc 24, 13-33


É muito difícil, senão impossível, sem o dom do Espírito, alcançar aquela caridade que nos faz sentir dor e abatimento com Cristo doloroso e abatido. Ou acompanhar a profunda dor e solidão de sua Mãe e nossa também. Somente ela sabia o que tinha sido feito e quem fora tão torturado e morto com tamanha injustiça. Somente ela tivera um laço de ternura, cuidado e amor tão intenso próximo com Jesus. Somente ela foi a Mãe impedida, naquelas horas de prestar o mínimo auxílio a seu filho amado. Somente ela tinha um coração bastante livre, imaculado, capaz de doer-se pela dor de Jesus. Você pode empregar algum tempo de oração fazendo companhia a Nossa Senhora na sua dor e na sua esperança. Ela sempre levava a sério as palavras que ouvia (Lc 2,19 e 51). Mesmo na sua dor, não esquecia do que ela falara da ressurreição. E esperava! Nossa Senhora das Dores é a Mãe de toda a santa esperança!

Mas dois discípulos representam a maioria de nós. Aflitos e descrentes, chocados com a crucifixão, estavam magoados, revoltados e sem nenhuma esperança em Cristo. Lembravam suas palavras e sabiam do testemunho das mulheres que tinham ido ao túmulo, encontrado vazio. O sentimento de fracasso, porém, os dominava.

Com carinho se prepare e faça a oração preparatória. A composição de lugar será esta, seguir pela estrada de Emaús com estes dois discípulos que não crêem. O pedido de graça aqui será dom da fé na palavra de Jesus, o dom de crer de todo o coração nele, o Crucificado que é o Ressuscitado, crer na vida e não na morte!

Algumas explicações para ajudar esta leitura orante!

1. Seguindo com os dois pela estrada afora, ver suas fisionomias tristes, abatidas e até revoltadas e ressentidas: Como são maus os homens! Como os poderosos são sempre assim e levam a melhor em tudo! Como Deus permite! O sonho acabou! Vamos tratar da vida! O mundo não tem jeito! Nem Jesus pôde salvar! Acabou-se!
2. Eles deixam Jerusalém e a comunidade, mais ou menos reunida em torno dos Onze apóstolos (uns crentes e outros descrentes, mas ainda assim permanecendo próximos uns dos outros). Quantos de nós abandonamos nossas assembléias, sem nos encorajarmos mutuamente (Hb 10,10,23)!

 
3. Eles seguem para Emaús, um povoado do interior. Querem paz e sossego. Fogem de compromissos. Recusam-se a ser grão que morre na terra para dar vida a muitos (Jo 12,24). Refletir sobre você mesmo, você mesma para tirar algum proveito.

4. Ver Jesus que se aproxima como um passante qualquer. Continua o mesmo Jesus, simples e despretensioso, aquele que se aproxima do necessitado sem tocar trombeta (Mt 6,2). Prestar atenção ao que ele diz: Não era preciso que o Cristo sofresse para entrar na sua glória?


 

5. Pedir para que Jesus fique e entre em casa para tomar refeição conosco! Aceitar o pão que ele abençoa e dá em comunhão com os outros. Aceitar voltar para a comunidade e anunciar: Nós vimos o Senhor, ele ressuscitou!

 
Terminar com seu colóquio e o Pai Nosso. Notar o que foi mais importante e anotar.
 
Finalmente!

 
Percorra, em outros momentos de oração, suas notas. Repare o que ganhou neste tempo. Procure perceber o apelo que nosso Senhor lhe faz para servir à causa do seu Reino. Procure acolher a inspiração que ele lhe dá agora e ele lhe dará outras ainda. Será bom conversar com uma pessoa experimentada nas coisas de Deus a respeito do que você está descobrindo.

Se você chegou até aqui, de certo se deu bem com as sugestões para a leitura orante da Bíblia que tiramos de Santo Inácio de Loyola. Com o mesmo método, sempre pedindo a graça do Espírito na oração preparatória, sugerimos que você faça dela um hábito.

Comum cuidado todo especial, prepare sua Missa de domingo fazendo a leitura orante do Evangelho e mesmo dos outros textos.

Há quem tome o Evangelho do dia. Você pode fazer o mesmo, mas esteja bem atento: se um Evangelho fala muito a seu coração e lhe diz muitas coisas, não hesite em parar nele por vários dias. Também é muito útil insistir alguma vez num Evangelho que ficou "porta fechada" para você. Bata que ela vai se abrir (Lc 11,9).
 

Deus é bom!
 

Só ele é bom (Mt 10,18)!