EXAMES


O Método inaciano propõe diversos tipos de exame:

1. O exame de preparação para a confissão (EE 32-42);
2. O exame da oração (EE 37);
3. O exame particular (EE 24-31);
4. O exame geral de consciência (EE 43).
 

Vamos nos deter no último, por sua importância para o crescimento espiritual. Praticado com constância, deixa marcas profundas e nos confronta verdadeiramente com Deus.

Exames
I. Importância
II. Objetivo
III. Exames: Particular e Geral
IV. Método: Cinco pontos
V. Conclusão
 

I. Importância
 

Os Exames têm um importância fundamental nos Exercícios.
 

Santo Inácio dava grande importância ao exame de consciência. Os dois instrumentos espirituais que entregava ao jesuíta para se sair bem na sua missão eram: a oração e o exame geral cotidiano de consciência.
 

Santo Inácio esteve sempre atento aos movimentos íntimos de sua alma e ao desenvolvimento de suas atividades.
 

Permaneceu fiel e vigilante ao exame até o fim de sua vida.

II. Objetivo

O verdadeiro objetivo do exame é desenvolver um coração com olhar de discernimento, muito atento aos movimentos íntimos da alma; um coração atuante através de todo o dia e não apenas nos dez ou quinze minutos do exame.
 

O verdadeiro sentido do exame está em ter um coração que discerne. Por isso, é preciso dar atenção especial ao que sentimos:
Não se trata de sentimentos superficiais, mas de movimentos no mais íntimo de nosso ser, no mais profundo do nosso coração, onde Deus colocou sua Palavra...

O Exame particular é um meio que se “utiliza” para atacar com diligência uma falta, um defeito ou pecado que, com a graça de Deus, se quer eliminar.Visa a purificação das tendências ou afetos desordenados, em particular as que prejudicam o serviço de Deus e do próximo.
 

Segundo Santo Inácio o Exame Geral, consta de cinco pontos ou passos, constituindo-se num verdadeiro exercício inaciano Agradecimento; pedido de iluminação; exame; contrição e arrependimento; propósito.
 

O uso conjunto e complementar dos dois exameS têm por finalidade procurar, com a graça de Deus, uma consciência transparente num coração puro embora os objetivos não se situem no mesmo nível
 

III. Exames: particular e geral
 

“Examinar-se” é um dos exercícios espirituais recomendados por Santo Inácio no livro dos EE como forma de orar, ao lado da meditação, contemplação, etc. Ocupa um grande espaço na Primeira Semana .
 

O Exame é um exercício orante diário de discernimento.

O Exame não é uma avaliação moral do nosso agir, embora essa dimensão possa ser importante e significativa em algum momento da vida.
 

Também não é uma avaliação psicológica: descobrir nossas feridas e traumas... etc. ou uma oração piedosa no final do dia.
É o exame diário que me ajuda a sentir e reconhecer os convites interiores do Senhor, que guia e aprofunda o meu esforço de orientar e ordenar minha vida.
Hoje, o Exame Geral é interpretado como um exercício para manter o estado de discernimento.

IV. Método
 

No n.º 43 dos EE explicam-se os “cinco pontos” ou passos do exame geral, para ver a própria realidade e os movimentos internos que surgiram ao longo do dia. Temos que ser espertos/as , atentos/as, para perceber as “moções” ( iluminações, inspirações, apelos ) que brotam da alma: “as boas para seguir e as más para as rejeitar” ( EE 313).
 

Dar graças a Deus Nosso Senhor pelos benefícios recebidos ( EE 43, 2 ) .
 

Obrigado, meu Deus!... Como sois grande!
Colocar-se presente
à Presença que nunca me deixou

 

Deixar que aflorem ao consciente todos os dons recebidos durante o dia, todas as maneiras pelas quais Ele se nos fez presente através das pessoas, dos acontecimentos e situações...
 

“ Perpassar o dia com um olhar de garimpeiro. O garimpeiro procura pedras preciosas. Em meio a mil pedrinhas, ele se ocupa da pedra preciosa. O olhar de Deus é um olhar de garimpeiro, um olhar de misericórdia...”
 

Pedir luz ao Espírito Santo
 

À luz dos seus dons, começamos a cair na conta do quanto fomos insensíveis à sua presença, quão cegos, quão surdos. Perguntar ao Senhor o que fazer?
 

Estar atento/a às Moções (iluminações, inspirações, apelos...).
 

Exame

É exigir contas a si mesmo... (EE 43). O Exame consiste em olhar a minha realidade a partir de Deus. Aí não há possibilidade de fuga. A grande tarefa do exame é o discernimento entre a “minha liberdade e querer” e as “moções” (movimentos internos) bons e maus.
 

Vendo o que recebi de Deus durante o dia, perguntar-me: E eu o que fiz por Ele? Essa reciprocidade chama-se Aliança Numa Aliança cada parceiro faz alguma coisa.
 

E o que vi Tu fazeres por mim e em mim? Pelos meus e nos meus? Pela Igreja e na Igreja? Pelo mundo e no mundo?
 

Olhando assim, o meu dia, vou me dar conta do que fiz de bom, de bem o que eu soube dar e receber.
 

Quando se ama percebe-se logo se, se deixou de viver a reciprocidade de amor.
 

Pedir perdão

Pedir perdão ao Amigo Fiel, nosso Salvador, pelo bem que deixou de praticar, pela indiferença e omissão diante de suas inspirações e apelos. Propor-se a seguir sua inspiração e iluminação.
 

Voltar ao amor misericordioso de Deus. Consciência de ser “pecador” , desconfiança de mim próprio crescente confiança em Deus.
 

Fica comigo, Senhor...
 

Amanhã vai ser novo e diferente. Com a vossa graça eu vos amarei melhor. Acolher a alegria de depositar nele a esperança... Prosseguir com muita confiança.
Termino com um colóquio com o Senhor, renovando a sua aliança.

“Deixando para trás o passado, lanço-me com todo meu ser para frente, corro direto para a meta” (Fl 3, 13).
 

V. Conclusão:
 

O Exame não foi uma invenção de Inácio. Estava em uso na Igreja e fora dela, sob as mais variadas formas bem antes de Inácio.
 

Inácio adaptou à vida apostólica, deixando espaço para a flexibilidade e a plasticidade desejáveis, no que diz respeito aos elementos secundários.
 

Não é uma fórmula sacramental que atua por si mesma. É um instrumento de prudência espiritual muito eficaz. O Exame não é uma avaliação moral, quando usado a nível mais profundo, descendo às motivações dos atos ou atitudes, leva a grandes progressos na vida espiritual.
 


Bibliografia:

 
Inácio de Loyola, Exercícios Espirituais. Apresentação, tradução e notas do Centro de Espiritualidade Inaciana de Itaici, São Paulo, Ed. Loyola, 2000 pg 25-32.

Coathalem, Hervé - Commentaire du Livre des Exercices, Pari, Desclée de Brower, pg 105 E 116.

CEI-ITAICI - Revista de Espiritualidade Inaciana, Coathalem,SJ Hervé, Nº 24, Junho / 1996, pg.27-30.

CEI-ITAICI - Revista de Espiritualidade Inaciana, Mª Chércoles, SJ. Adolfo e Coathalem,SJ, Hervé nº 24 Junho/ 1996, pg. 31-34.

CEI-ITAICI - Revista de Espiritualidade Inaciana, Aschenbrenners,SJ, George, nº 2, Dez/1989, pg.7-12.

CEI-ITAICI - Revista de Espiritualidade Inaciana, F. de la Cigoña, J. Ramoón, SJ, nº 12, Junho/1993, pg. 11-13.

CEI-ITAICI - Revista de Espiritualidade Inaciana, Força da Metodologia nos Exercícios Espirituais, nº 41, pg. 27-30.

CEI-ITAICI - Elaborado por: Ir. Teresa Cristina Potrick, ISJ